Please assign a menu to the primary menu location under menu

Beauty

O que NÃO fazer no fim de um relacionamento

Gosto de falar por aqui das minhas experiências. Sejam elas experiências e opiniões supérfluas ou de vida. O meu blogue e as restantes redes sociais acabam por ser um livro que vou escrevendo para mim mesma e que é lido ainda a meio dos rascunhos, e  onde anoto muitas as coisas para não me esquecer que as sei ou que as aprendi. E é isso que venho fazer hoje aqui. Depois não digam que não sou vossa amiga.

Falei-vos há coisa de uns (quase) dois anos, de alguns passos que serviram para mim como um Manual de sobrevivência ao fim de uma relação (link) e até hoje, esse continua a ser o post mais lido de sempre no blogue. Senti que atingiu e continua a atingir diariamente tanta gente, por ser um clássico pelo qual toda a gente passa, que hoje resolvi vir anotar mais umas quantas coisas que aprendi.
Agora sim, já estive dos dois lados possíveis e consigo compreender tudo. O que é que “a outra” pessoa fez quando estava no papel de querer acabar a relação, o que é que eu fiz de errado quando estavam a acabar comigo e o que é que não gostem que me fizessem quando acabei com alguém.
Acabaram com vocês ou vocês acabaram com alguém? Podem fazer (quase) tudo, menos estas dez coisas. 

1. Lembrar só da parte boa da relação
A morte do amor funciona como a morte de uma pessoa: quando isso acontece temos tendência a lembrar-nos apenas das coisas boas e dar glamour a memórias que nem sempre foram assim. Este pensamento torna-se tóxico… achamos que nunca mais vamos encontrar ninguém tão bom, que aquela pessoa é insubstituível, que ele era todo um conjunto de virtudes e de repente até nos esquecemos das discussões que existiram, que talvez a chama da relação já não estivesse “acesa” há muito tempo, esquecemo-nos das vezes que ele nos trocou para ir ver o Benfica, que ele deixava a toalha molhada em cima da cama todos os dias, que se esquecia constantemente do vosso nome. Estou a brincar. Se isso aconteceu claramente não precisam de ler isto, mandem logo à merda.
Sejamos realistas e analisemos a situação com olhos de gente grande.
Não idealizem uma imagem da relação depois de ela ter terminado, não a aperfeiçoem só na vossa cabeça. Se ela terminou é porque algo NÃO estava perfeito.
2. Implorar que a pessoa volte
Há coisas na vida que não se pedem:  Amor, atenção e carinho.  Vão à porta da Padaria Portuguesa e implorem que eles vos comecem a entregar o pequeno-almoço ao domicílio, isso sim eu apoio e é justo. Se as três coisas que eu disse acima, não forem dadas gratuitamente então é porque não valem a pena.
Aprendi que pedir à outra pessoa para ficar, fá-la ir.
isto não funciona se estivermos a falar de raparigas… se a rapariga te diz para ires, não vás! não te mexas! mostra que queres ficar!)
O nosso desespero e pânico, por mais válido que seja, torna-se o nosso pior inimigo e o nosso orgulho ferido leva-nos a dizer coisas que nunca diríamos noutra situação.
Esperem que ele se vá embora para terem o vosso ataque de pânico sem que ele o aviste. Mostrem que estão tristes sem mostrar algo assustador.
Por norma, associado ao facto de estarmos a implorar alguma coisa, vem o choro inconsolável e o apelo às emoções… entenda-se: “não sei viver sem ti”, “eu vou parar ao hospital já não consigo respirar de tanto chorar”, “vou-me matar”, “não quero viver num mundo em que tu não existas”.
Eu também disse isto (me-do). A pessoa acha-nos simplesmente assustadoras e foge a sete pés enquanto nós achamos que vai ficar cheia de pena e voltar.
Hoje entendo que não consigo viver sem oxigénio e um copinho de água de vez em quando. Sem uma “cara-metade” vive-se na boa.
3. Postar indirectas nas redes sociais
Quem nunca?
Parece que todo o Instagram conspira para que naquele dia, todas as frases lamechas, pirosas e com bocas fortíssimas se adequem ao nosso estado de espírito.
Quanto mais indirectas postarem mais a outra pessoa se vai fartar de vos ver no feed de notícias dela e rapidamente dará conta que tem de deixar de vos seguir. Quanto mas indirectas postarem, mais notório será que estão tristes e algo se passa (entram outra vez no circulo de implorar atenção). Quanto mais indirectas postarem, mais se estão a massacrar e a atrair para vocês um estado-espírito do qual se deveriam querer ver livres. 
Por norma nestas alturas a galeria de fotos do nosso telemóvel parece um caderno de rascunhos do Paulo Coelho, cheio de print screens dos Instagrams desta vida e chegamos a planear o dia e a hora em que pomos a indireta porque será mais provável que a outra pessoa veja a publicação. Sabem o que acontece? Ele sai do Instagram, bloqueia calmamente o telemóvel e pensa : ainda bem que me livrei dela. psyco!!”
Ah, fotos a preto e branco também contam.
4. Ligar/mandar mensagens incessantemente
Isto é deveras assustador, preocupante e medonho. (só me apercebi quando mo fizeram)
Não é por ligarmos até o telemóvel se desligar sem bateria que ganhamos pontos por isso, bem pelo contrário.
Por norma se a pessoa vos pede “um tempo”, tentem respeitar MAS com o pensamento que: quem avisa que quer ir… já foi. Não tenham muitas esperanças mas também não estraguem tudo, acordar e ter mais de 100 chamadas e mensagens da pessoa com quem estamos a acabar é o primeiro motivo que nos leva a não querer falar com essa pessoa!
Liguem uma vez. Na loucura… liguem duas. Eu sei que apetece ligar mais umas cinquenta até a pessoa se cansar de não atender mas… a  insistência de forçar alguém a fazer algo que essa pessoa não quer, dá-lhe certezas do que ela não quer. Não forcem, não ameacem, não façam esperas! Mostrem que a vossa sanidade mental vale mais que os vossos sentimentos.

5. Explorar as redes sociais da outra pessoa

A força da nossa memória aumenta ou diminui consoante nós mantemos ou não o contacto com algo que reforça as nossas lembranças. Portanto, nos momentos em que estão tristes depois do fim de uma relação, não procurem pôr-se ainda mais tristes. Ou seja, fuçar o Facebook e restantes redes sociais e ver fotografias vossas felizes, ler todos os comentários trocados, quem é que ele adicionou de novo, se ele já anda a trocar likes com aquela rapariga que vocês implicavam mas ele dizia “estás tonta? é só uma amiga lá da faculdade”, não queiram ir ver as fotos em que ele está marcado, não queiram estar a ir ao chat ou ao whatsapp ver quando foi a última vez que ele esteve online e usar essa informação para delinear todo o dia dele na vossa cabeça. “Ok deixou de estar online às 02:53 e ele antes deitava-se por volta das 01:42, significa que ele está com outra pessoa, não acredito!” ahah
Sejam amigas de vocês mesmas e não se massacrem. O melhor e mais sensato a fazer para quem está nessa angústia e não se controla? Bloqueiem, tirem de amigo, deixem de seguir, desliguem. Custa “pra caraças”, mas faz parte de ter algum amor-próprio.

6. Manter contacto com o ex

Lembram-se da história de “podemos sempre ser os melhores amigos” que nos diziam até aos 16 anos, ou por aí?
Não permitam que isso aconteça.
Durante algum tempo e enquanto há sentimentos sérios, um ex-namorado não é um amigo. Têm de ter o tempo para acabar com o sentimento que vos fará confundir uma amizade do resto.
Se um rapaz acabar com vocês e continuar a procurar-vos isto é um alerta gigante, ou vão acabar na “prateleira” quase de reserva para o caso de as coisas no futuro não correrem bem e ele querer recorrer a vocês de novo, ou viram fuck buddies brevemente e sofrem horrores no futuro porque não conseguem distinguir as coisas ou simplesmente não conseguirão andar para a frente e aprender a reorganizar a vossa vida sem ele presente porque na verdade… ele continuará presente.
Sejam firmes mesmo que continue a haver sentimento.
Quando acabaram comigo eu não entendia a importância de se cortar essa ligação e queria sempre mantê-la porque achava que “mais tarde ou mais cedo voltaríamos”, mas se o objectivo dele era sair da minha vida… eu só estaria a adiar o inevitável.
E se acharem que acabar e voltar vezes sem conta é boa ideia… não é. Nunca é a mesma coisa.

7. Evitar a tristeza e fingir que está tudo bem

Há períodos para tudo e o período de luto tem de ser cumprido. É perfeitamente normal estarmos mal connosco mesmos e a perda do auto-conceito faz parte do processo de cura.
Não evitem a tristeza saíndo todos as noites, não se embebedem de cada vez que saem porque para além de fazerem figura de tolinhas… no dia seguinte acrescenta-se à dor do coração também a dor de estômago e de cabeça. Não experimentem drogas só porque querem sair da realidade. Não façam sexo por vingança.
Esses pequenos momentos fora do normal podem massajar-vos o ego ou dar-vos uma sensação momentânea de que tudo está bem mas “saltar fases” não ajuda no processo de recuperação. A ideia é que a ferida fique sarada. Não é por maquilhagem na ferida para que ninguém note que ela lá está.

 

8. Apressar-se num novo relacionamento

Dizem que “a mordida de um cão cura-se com a lambidela de outro” mas este provérbio não tem de ser levado à letra, ok?
Por norma arranjarem um namorado novo logo a seguir faz com que passem os vossos hábitos, esperanças, expectativas e sentimentos para uma nova relação sem entender que aquela pessoa não funciona como a anterior e por norma… não dá bom resultado.
As comparações vão ser constantes porque não tiveram o tal “tempo de luto” para retomar o fôlego, redefinir valores, pensarem no que NÃO querem de novo na vossa vida e avaliar o vosso próprio comportamento.
Aprender a estar sozinha, é um processo de crescimento. Talvez o maior pelo qual eu passei até hoje e agradeço todos os dias. No dia em que estiverem feliz sozinhas, o amor aparece. Dessa forma, ele surge por acréscimo e não por necessidade. E sabem quantas pessoas têm namorado só para “não estarem sozinhas”? 🙂 Não queiram fazer parte da estatística.

9. Deprimir em demasia

Só ouvir Adele. Deixarem de se arranjar. Não aceitarem nenhum convite das vossas amigas e família mesmo semanas depois de tudo ter acontecido. Life goes on… eu estive três semanas fechada em casa com as janelas trancadas a achar que a vida tinha acabado. Até que alguém me deu dois chapadões e me fez acordar para a vida.
Infelizmente eu não chego a todos os milhares de pessoas que precisam desses chapadões, senão… dava!
Contrariem a vossa infelicidade quando o período normal de luto já tiver passado. Proíbam-se de falar nesse assunto mais do que uma vez por dia. Já ninguém aguenta a vossa cara de infelicidade, cara de quem está há um mês sem passar um eyeliner e a andar com o fato de treino do irmão mais velho. Ponham música alegre, vejam um filme engraçado, obriguem-se a apanhar ar, praticar exercício, a cuidar de vocês mesmas, a dormir bem! Ponham-se bonitas. Sintam-se bonitas. Sejam bonitas. Façam por isso.

 

10. Pensar de forma negativa

A mente tem um poder incrível e eu só comecei a ter interesse nisso quando me vi num estado tão mau que achava que eu já não teria solução possível para voltar ao normal.
Leiam sobre isso, leiam livros de auto-conhecimento e auto-ajuda como por exemplo, “O segredo”!
Aprendi que o poder dos nossos próprios pensamentos é grande ao ponto de conseguirmos controlar a nossa vida através deles. Aprendi a criar mentalmente um “quadro de visualização” das coisas que eu quero que aconteçam e elas acabam por acontecer. (ainda não me visualizei a ganhar o euro-milhões)
Procurem tornar-se melhores pessoas e prepararem-se melhor para a próxima vez que a vida vos puser à prova.
O que vocês pensarem é o que vão atrair, e claramente não querem atrair mais “coisas más”. Olhem para este término de relação com gratidão porque saiu da vossa vida alguém que já não estava com vocês com o mesmo amor de sempre, olhem para este período da vossa vida como uma nova oportunidade para construírem a vossa identidade, para redescobrirem o que vos faz feliz, como uma oportunidade de crescimento e auto-análise.
Desta vez, a vida fez-vos um favor… tirou da vossa vida alguém que NÃO queria estar convosco. 
Mas da próxima vez a vida pode, espontaneamente, tirar-vos alguém que realmente importe.
Relativizem, gostem de vocês mesmas, não se humilhem, não se martirizem, não se entreguem a um sofrimento desmedido e desnecessário.
Ah! E não se fechem para o amor. Um pontapé na bunda é tudo de bom… faz-nos andar para a frente ahah

Entretanto, comprem muita maquilhagem. Não cura nada, mas sabe bem. E eu cá estarei para vos ensinar a usá-la! Quem sabe para um próximo date…. 😉

35 comentários

  1. Olá Helena!

    Já andava com alguma curiosidade, desde que anunciaste a tua intenção de escrever o post, por isso quando vi no snap tive de o ler. E obrigada. Nunca pensei identificar-me tanto com ele, e sinceramente reconheço que há um ano atrás cometi alguns (vários,ok, muitos…) dos erros que apontaste, mas felizmente hoje ri-me, e foi uma sensação muito boa.
    Adorei o post! Adorei a leveza e o sentido de humor com que conseguiste abordar todas as questões, sem, contudo, descurares a sua importância e isso é fantástico 🙂

    Beijinhos

  2. Concordo com tudo! Não diria melhor, já lá estive e achava que nao parecia nada desesperado mandar umas 20 msgs seguidas sem resposta (okkkkk). Até que chegou o dia em que resolvi abrir os olhos ;).
    Obviamente que estas situações são muito más mas há que encarar como uma hipótese de crescermos e aprendermos algo com as pancadas da vida ;).
    Grande beijinho Helena*

  3. Adorei o texto Helena 😉 confesso k andava com curiosidade para o ler desde k anuncias t k o irias fazer… acho k vai ser o 2 post mais lo
    lido do blogg Pk claramente MT gente se vai identificar com ele.. es sem dúvida uma inspiração para todas as mulheres.. adoro.. obrigada por partilhares tanto conosco💗

  4. Acabei uma relação à menos de uma semana e caí no erro de pedir, implorar que voltasse para mim, no fim da conversa senti-me humilhada! Hoje sinto-me muito melhor graças aos meu amigos e família, o que importa é pensar em coisas boas e que o melhor ainda está para vir 🙂 Beijinho

  5. Adorei!! No natal terminei a minha relação de 5 anos com o meu ex. felizmente já passei pela fase do luto e os meus familiares em parte respeitaram essa fase, e tive uma irmã e um cunhado que foram como pilares para mim e ajudaram-me a erguer e a ser o que sou hoje 🙂
    felizmente passaram-me pela cabeça todos os erros que disseste e não sei como não cometi nenhum xD
    pensei em ligar, mandar mensagens, etc. não o fiz, pediu um tempo esperei uma semana para que se lembrasse que se calhar convinha dizer algo 😉
    em relação às indiretas, às vezes são necessárias, uma bombinha não faz mal a ninguém e às vezes é preferível do que uma nova discussão por sms… e por vezes acaba por estabelecer o teu estado também para as outras pessoas que muitas vezes vêem que andas em baixo e ainda te vão tocar no assunto. assim com uma indiretazinha há muita gente que se cala com medo de levar uma má resposta :b
    Muito bom Helena, adorei, especialmente o pormenor de estar a ler e a ouvir tipo a tua voz a ler :b (vicio nos teus snaps, completamente) 🙂
    Continua, beijinhos enormes 😀

  6. Olá 🙂 nas 3 relações que tive cumpri quase todas as dicas ( menos a parte de ir vasculhar o face e ter ataques de choro às escondidas !). De resto , cortei completamente! Nem amigos nem meios amigos . Cortou ! Nem msgs , nem chamadas , se os visse na rua ignorava completamente e continuava a minha vida normal . Nunca me viram triste ( apesar de por dentro estar um caco … Fui traída numa relação , na outra virei costas porque estava farta que fosse em segredo !) . Conclusão : passado uns tempos são eles que me procuram , são eles que tentam novamente , veem mudados , queridos, arrependidos e agora sou eu que lhes dou tampas e chutos no rabo !

    Por isso meninas , cortar relações logo ! Rápido e eficaz .

  7. É tão verdadeiro que até dói! Tenho a certeza que vai ajudar muitas pessoas, revi-me muito, há alguns anos atrás! Quem é mulher não consegue não fazer algumas dessas coisas, mas o importante é viver o luto, chorar, lavar a cara e seguir em frente! Beijinhos

  8. Identifiquei-me tanto tanto com isto. Andei muito tempo a lamber as feridas com o fim do relacionamento, arranjei outro para tentar substituir (deu merda) e um dia disse "não eu tenho é de estar sozinha, aprender a gostar de mim e o resto virá" e veio, meti na cabeça que o próximo beijo seria com amor, que seria uma relação madura e com alguém que quisesse estar comigo tanto quanto eu queria estar com essa pessoa. E assim foi, ao fim de 3 meses de flirts veio o primeiro beijo e já são 3 anos juntos com as mesmas borboletas na barriga do primeiro dia! Aprendi a ser feliz sozinha e foi o melhor que fiz porque agora sou feliz com ele e não apenas feliz por estar com ele.

  9. Com toda a certeza que muita gente de vai identificar com este post. Perfeito Helena…sinto que isto tudo te deixou mais "leve". Passar por certas coisas às vezes fazem nos bem, afinal o que não nos mata torna nos mais fortes. 😊
    Beijinhos grandes…
    :*

  10. Para quem já teve o coração partido e teve de lidar com o fim de um relacionamento sério ou de algo que poderia vir a ser sério mas não deu (ou seja, toda a gente no mundo!!), este post é totalmente verdade! A nossa opinião vale o que vale, mas para quem já passou por isto, sabe perfeitamente que tudo isto acontece e que devíamos evitar! Como sempre, apenas aprendemos com o tempo e é a estarmos sozinhos que nos conhecemos melhor, aprendemos e crescemos.
    Menos redes sociais, menos stalking a ver o que o outro anda a fazer com a outra, menos preciso-de-alguém e mais liberdade, mais aventura, mais amigos!

    Óptimo post 🙂

  11. É triste quando deixamos de ser racionais e temos atitudes que um dia mais tarde vão pesar na nossa consciência e orgulho. Concordo com tudo o que disseste e deve ser tudo assim, o difícil é colocarmos-nos à frente de qualquer pessoa, não devemos nunca deixar que uma relação nos tire a auto-estima, mas acaba muitas vezes por acontecer e nada fazemos para lutar contra 🙂
    Gostei que tenhas voltado aos posts e que tenha sido com este em específico!

    http://fashionunderconstruction.blogspot.pt/

  12. Revi-me inteiramente nessas situações menos nas redes sociais que há 15 anos ainda não tinha, sofri muito, rebaixei-me muito e atirei-me de cabeça no 1º rapaz, dp tive a lata de convidar o meu ex para o meu aniversario. Quando ele viu que eu tinha superado foi a vez dele me conquistar!!! Estamos casados á 13 anos, ás vezes até vale a pena!!!!

  13. Olá Helena!
    Infelizmente sei bem o que é estar dos dois lados da relação, mas a minha mente acaba por me fazer cometer sempre os mesmos erros. Adorei completamente a tua perspetiva das coisas e pensei para mim mesma que quando for grande quero ser como tu, ahaha (Só tenho 19). O meu goal é aprender a ser feliz sozinha.
    Fico à espera de mais tutoriais de maquilhagem lá pelo canal. E vê se contínuas a incentivar as raparigas a não desistirem de ser felizes só porque estão solteiras. Adoro a tua maneira de falar e os teus vídeos são ótimos e alguns fazem-me doer a barriga de tanto rir.

    Beijinhos,
    Catarina A.
    http://heartlover16.blogspot.pt

  14. Eu revi-me mesmo neste post, tirando a parte de implorar, ligar/mandar mensagens a toda a hora e pressa em arranjar outro relacionamento, mas de resto sou eu completamente. Há 3 ou 4 meses acabei uma quase relação se assim o posso chamar e custou-me imenso e ainda dói. Estou sempre a mandar indiretas e a ver as redes sociais dele, custa muito porque ele já tem outra mas mesmo assim insisto em ver, enfim tenho mesmo de deixar de ser trouxa!!! Aproveito para dizer que adoro o teu trabalho e desejo-te muito sucesso Helena! Beijinhos

  15. Olá Helena!!
    Nunca estive num relacionamento (tenho 14 anos), mas sem duvida este post foi um dos melhores (senão o melhor) que já li, és uma inspiração para mim… e obrigada por teres feto este post assim posso prevenir um dia ahaha
    És a minha youtuber/blogueira preferida ehehe <3
    Beijinhos e continua…

  16. WOW! Grande texto Helena…a sério, vai abrir os olhos a muita gente, tal como me abriu a mim, acredita!
    Saí à cerca de um/dois meses de uma relação de quase 4 anos…ele terminou comigo, após algumas tentativas de dar um tempo, etc., ele disse que éramos demasiado diferentes e que há não gostava de mim da mesma forma e que não gostava de mim da mesma maneira que eu dele e que queria simplesmente continuar meu amigo…desde então tudo tem sido um processo, tenho estado muito mal…as primeiras semanas foram super difíceis e fiz como se nada tivesse acontecido, não tirei a aliança (coisa que ele fez logo no momento em que teve essa conversa comigo… :/ ), não retirei de uma relação no facebook (ele não o fez logo, mas uma semana depois +/- fê-lo e eu nada), não eliminei as fotos que tinha com ele do facebook e do insta, coisa que ele fez logo também… enfim :/ não saía de casa, não falava com ninguém…bom, basicamente muitas das coisas que referiste no texto aconteceram…as primeiras semanas foram assim, um luto contínuo e duro… Felizmente, recentemente, já tenho conseguido melhorar, um tempo depois dessa fase inicial, já consegui retirar tudo do facebook, relação, fotos, etc., tirei as fotos do quarto em que estávamos juntos, tirei o coração do nome do contacto dele do telemóvel, já consegui fazer tudo isso, tenho saído algumas vezes e tenho-me distraído,…essa situação das indiretas via fotos, às vezes ainda acontece, mas depois de ler o teu texto, tenho a certeza que fui muito parva ao fazê-lo, não consigo garantir que não o volte a fazer, mas quero dar tudo para que isso não aconteça novamente… Obrigada pelo teu texto, cada frase que escreveste foi reconfortante e fez pensar que realmente não estamos neste mundo para sofrermos, mas sim, para vivermos a vida da melhor forma possível. Obrigada mesmo!
    Não sei se me conheces, mas também tenho um canal no youtube (sim, ainda tenho vídeos com ele lá…bah xD), se tiveres curiosidade podes dar um olho: http://www.youtube.com/1993meninaje (estive quase um mês sem postar nada no canal, snapchat, etc., por causa dele, mas agora já voltei ao ativo, felizmente).
    Mais uma vez, MUITO OBRIGADA! Beijo enorme! <3

  17. Olá Helena, revi-me sem duvida neste post, mas todos estes conselhos que destes são conselhos que eu fartei-me de dar as minhas amigas, mas a verdade é que quando é connosco parece que ficamos cegas e burras. A verdade é que fiz tudo isso e hoje arrependo-me pois não valeu de nada. O meu relacionamento de quase 6 anos acabou mesmo por terminar e claro que custou mas a vida continua, não vemos isso na altura, mas passado um tempo começamos a ver… é um processo lento mas que tem final, e um final feliz 🙂 Já lá vão 8 meses 🙂 Força para quem estiver a passar por isso 🙂

    Beijinhos Helena e continua com o bom trabalho adoro os teus videos mas principalmente os snaps que mostras quem realmente és, super fixe ahahh
    P.S: beijinho ao Mani fofo :b

  18. Eu trai a minha melhor amiga com o namorado dela. Ela ainda n sabe mas n sei se lhe devo contar. A principio foi so uma brincadeira mas agora…. sinto que gosto mesmo dele. Nao tenho coragem de dizer ao rapaz que gosto dele porque n quero que ele acabe com ela por minha causa mas por outro lado gosto dele.. hmm….n sei o que devo fazer… em fim adorei o teu texto e cai ser super util

  19. Oh meu deus ahaha sem dúvida um post completamente interessante e que decerteza que vai ajudar muita gente XD só tenho pena de n o teres escrito à mais tempo XD basicamente tudo o q não deveríamos fazer nessas circunstâncias são as primeiras que um desgosto ao coração nos leva a fazer.. E por mais que saibamos q estamos a ser dementes e psycos tentamos enganar o nosso próprio pensamento. Grande texto sem dúvida beijinhos keep going ;p

  20. Adorei o Post! Acho que estas são 10 coisas que todas nós já fizemos e que mais tarde nos viemos a arrepender. A única coisa que não concordo é com o facto de bloquearmos a pessoa nas redes sociais, porque acho que isso é dar-lhe demasiada importância uma vez que ela, mais tarde, vai acabar por perceber e ver que ainda nos afeta. O melhor mesmo, na minha opinião, é continuar a segui-la como se ela nos fosse completamente indiferente (o que não é de todo verdade). De resto concordo com tudo o está escrito, acho que está perfeito! Lena admiro bastante o teu trabalho e adoro a tua personalidade divertida e espontânea (que tenho o prazer de conhecer pelo snapchat), Beijinhos grandes e continua a cativar e a ajudar as pessoas como fazes.

  21. Olá Helena! Desde já quero dar te os parabéns pelo trabalho que tens feito e espero que o faças por muito mais tempo. Este post…. Ai este post… Como eu o consegui reviver na total perfeição! Faz 5/6 anos que parecia ter encontrado o homem da minha vida, isto com , 19 anos ( que sabia eu da vida? Que sei eu hoje da vida). Estava apaixonada, e como ele já tinha andado atrás de mim nunca pensei que me fosse abandonar. Apanhou me numa fase da minha vida cheia de mudanças, ida para a universidade, sair de casa, ir para uma cidade, novos amigos… Enfim. Chegou o dia do meu aniversário e tive a "melhor" prenda: acabou comigo! Sacana… Fiz tudo tal e qual tens descrito neste post, talvez as indirectas pelo face não fossem em abundância. Esta mistura de sentimento, coisa que mexeu tanto com o meu psicológico que acabou por mexer comigo fisicamente, perda de peso e doença. Se queres que te diga, não me consigo lembrar de mais nada a não ser do sofrimento que tinha naqueles dias! Podia ter superado tudo se ele não voltasse e não voltasse a voltar. Um dia tudo acabou… E passados dois anos consegui fazer a minha vida ao lado da pessoa que hoje amo!

    O quanto eu me arrependo. Não façam isto, só nos massacramos a nós próprias e eles estão se nas tintas.

    Obrigada Helena, beijinho 🙂

  22. Muito top este post.
    Já tive um um inicio, meio e fim de relacionamento muito mau xD e fiz tudo isso ao extremo. Menos a parte de curar um desgosto com um novo amor. Tive a sorte do meu desgosto se ter curado rápido muito por culpa de um novo amor que já dura há 7 anos. Há males que vêm por bem 🙂
    Beijinhos*

  23. Eu subscrevo 10000 milhões de vezes tudo neste post. Tive de passar por tudo isto para perceber que não valeu a pena. Fez-me crescer. Obrigada por este bocadinho de leitura que nos proporcionaste. Beijinho

  24. Gostei imenso.
    Hoje tirei um tempinho para ler os dois textos e ajudou imenso.
    Custa imenso, custa mas um dia será uma lição.
    Dar tempo ao tempo, é o lema por agora.
    Espero ler um próximo virei cá com todo o gosto ler 😉
    Mas por agora, gostei imenso destes.
    Beijinho enorme.

  25. Helena, só não digas que os rapazes devem ficar quando uma rapariga diz para irem. Por causa dessa mentalidade já cheguei a ser perseguida por um ex-namorado que teimava em não aceitar o meu "não".

Leave a Response